O Olimpíada do Rio acabou! Qual será o legado desses jogos? Como devemos nos preparar para Tóquio-2020?

By / 12 meses ago / Rio 2016 / No Comments
O Olimpíada do Rio acabou! Qual será o legado desses jogos? Como devemos nos preparar para Tóquio-2020?

A Olimpíada Rio 2016 acabou! Os Jogos Olímpicos, também conhecidos como Olimpíadas, compõem um evento desportivo que ocorre a cada quatro anos, após o período da olimpíada, e que reúne atletas de quase todos os países do mundo, para competirem em várias categorias de desporto. Transformar os Jogos em uma busca louca por medalhas de ouro é se desviar de sua essência.

Na hora de fazer o balanço geral dos Jogos do Rio de Janeiro, uma pergunta tem que ser colocada: Para que servem os Jogos Olímpicos?

Veja aqui, na integra, a Cerimonia de Abertura da Olimpiada Rio 2016:

https://globoplay.globo.com/v/5217401/

As posições dos países no quadro de medalhas pode variar de uma edição para outra dos jogos olímpicos ,mas países que lideram o ranking são, quase sempre, os mesmos.Se fossemos focar apenas na competição  que tem como único objetivo dar medalha aos brasileiros, a Olimpíada foi uma grande decepção. Dos mais de 300 pódios desta edição, o Brasil esteve presente em apenas 19 deles: 5,6%. Uma participação muito decepcionante se levarmos consideração o quesito medalhas!

Muita gente fala que temos um Comitê Olímpico muito bem estruturado, toda verba destinada ao esporte é investida em melhorias nas condições de treinamento para os atletas e todos eles  deveriam brigar e conquistar medalhas, principalmente, nessa edição dos jogos que foram realizadas no nosso país, quando levamos mais de 500 atletas para representar as cores verdes e amarelas.

Mas, o que torna um país uma potencia olímpica?Como o Brasil investe nos esportes e como funcionam as políticas de esportes nos países pelo mundo afora?O Brasil será algum dia uma potencia olímpica?

Um país com a quinta população do mundo e sendo uma das dez maiores economias não deveria está melhor posicionado no quadro de medalhas? E não é por falta de esforço. O investimento no esporte cresceu muito desde a participação nos jogos pan-americanos no Rio de Janeiro em 2007 e se manteve alto nos últimos anos no planejamento da Rio 2016.

Em 2012,último dado confiável, o Brasil investiu tanto quanto a França em esportes de alto rendimento. As fontes de financiamento se multiplicaram como a bolsa atleta,bolsa pódio e o plano medalha, mas o resultado em números de medalhas não se alterou muito.

Temos que ter uma melhor política para os esportes e promoção de novos talentos esportivos. Falta organização e não dinheiro.Temos deficiência  desde a caça de novos talentos até a falta de uma política para variar mais as praticas de esportes no Brasil.

Acreditamos que nossa deficiência se dar mais em função de fatores culturais, da valorização que nós temos enquanto sociedade para todas modalidades esportivas como um todo. Os países tendem a ter modalidades que são mais desenvolvidas em termos culturais, que no nosso caso é o futebol, o que não acontece em outros países considerados como potencias olímpicas.

Eles praticam mais esportes e valorizam mais as diferentes modalidades, como um todo.Aquelas modalidades nas quais houve investimentos  e uma boa gestão por exemplo, no caso do voleibol brasileiro, os resultados apareceram no decorrer dos 20 e 30 anos que se passaram.

No Brasil nós não temos uma organização nacional e as iniciativas são esparsas distribuídas pelo pais, ou seja, temos diversas iniciativas inclusive de organizações não governamentais que trabalham com esporte educacional, com esporte de  forma participativa como meio de inclusão social, mas a gente não tem uma política, um pensamento, uma gestão no sentido de integrar os diferentes projetos.

Quando um jovem descobre que pode ter uma carreira esportiva promissora o obstáculo passa a ser outro: onde treinar.No nosso sistema esportivo sempre coube ao clube esportivo o trabalho de formação dos nossos atletas nas diferentes modalidades esportivas, mas o que nós percebemos nos anos 80 para cá, principalmente,é que clube esta deixando um pouco esse papel de lado.

Por que? Porque os clubes esportivos são entidades de associados, então o associado paga uma joia, uma mensalidade e ele quer aquele local para sua pratica de esporte que não necessariamente é o esporte de rendimento, que é voltado para o esporte de alto rendimento.Hoje em dia são poucos os clubes que tem esse trabalho mais sistematizados e o numero de crianças e adolescentes participantes nas diferentes categorias competitivas diminuiram.

O sucesso  do time britânico pode ser a solução, mas não é tão simples, pois está intimamente ligada ao que o país “inventor” de uma série de esportes modernos pôde chamar de fiasco retumbante na Olimpíada de Atlanta, em 1996.

Naquele ano, o Team GB terminou a competição com 15 medalhas (uma de ouro, oito de prata e seis de bronze), ficando em 36o lugar na classificação geral, atrás até do Brasil.O desempenho causou tamanha comoção entre mídia e público que o então primeiro-ministro, John Major, tomou a decisão de usar fundos das loterias britânicas para financiar o esporte de alto nível no país.

Isso causou uma derrama de dinheiro: para o ciclo olímpico de 2016, o valor total foi de mais de R$ 1,3 bilhão – menos que a estimativa de pelo menos R$ 2 bilhões investidos pelo Brasil no esporte de alto nível para a Rio 2016.E foi mais de 10% maior que no ciclo olímpico de Londres 2012.

Foram 20 anos de investimentos que resultaram em ciclos olímpicos consecutivos de crescimento no número de medalhas. Nenhum outro país conseguiu isso.As 15 medalhas certamente se multiplicaram em jogos seguintes, mas antes que alguém simplesmente veja uma correlação direta entre dinheiro e resultados, especialistas apontam para um característica interessante do programa britânico.

O UK Sport, órgão responsável pelo gerenciamento dos recursos, não hesitou em priorizar modalidades que obtenham bons resultados e que ofereçam perspectivas de medalhas em pelos menos duas Olimpíadas.

Isso, por exemplo, ajuda a explicar o sucesso dos britânicos em esportes como o ciclismo, o que mais deu medalhas ao Team GB na Rio 2016, 12 (doze). O sucesso da modalidade em Londres, quando também conquistou 12 medalhas, valeu um investimento 36% maior que no último ciclo olímpico. Esportes que mostraram potencial em 2012, como a ginástica artística, também se beneficiaram de aumentos no orçamento – a ginástica britânica saltou de quatro para sete medalhas na Rio 2016, incluindo os ouros olímpicos inéditos de Max Whitlock.

Veja aqui  alguns momentos da Cerimonia de Encerramento da Olimpiada Rio 2016:

https://globoplay.globo.com/v/5251187/

https://globoplay.globo.com/v/5251211/

https://globoplay.globo.com/v/5251226/

Então, decida-se. Se quer ver o Brasil arrasar adversário, dê ibope a todas as 46 modalidades esportivas. Olimpíada é união dos povos, é superação de limites, a busca pela perfeição. A olimpíada trouxe para o Brasil a magia de transformar a humanidade. Se a chama foi apagada fisicamente ficou acesa nos corações do povo brasileiro como esperança de um novo mundo.

Em nome da equipe www.acaoeaventura.com.br queremos agradecer aos cariocas pelos momentos inesqueciveis vividos durante esses Jogos Olimpicos Maravilhosos na Cidade Maravilhosa:

Ação & Aventura

Somos um portal especializado em Esportes de Ação e Aventura, Roteiros de Ação e Aventura, Ecoturismo e Meio-Ambiente. Nosso conteúdo é atualizado por uma equipe que, assim como você, é amante dos esportes de Ação e Aventura!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *

O www.acaoeaventura.com.br é um portal especializado em Esportes de Ação e Aventura, Roteiros de Ação e Aventura, Ecoturismo, Meio-Ambiente. O nosso site esta dividido em quadros temáticos para facilitar a leitura e visualização dos melhores vídeos dos esportes que você ama, servindo assim, de incentivador e motivador para quem quer iniciar uma atividade esportiva outdoor e ser mais feliz.

FACEBOOK